Lição 5 – FRUTO DO ESPÍRITO: O EU CRUCIFICADO

Lição 5 – FRUTO DO ESPÍRITO: O EU CRUCIFICADO
Texto Aureo: “Ora, o Deus de esperança vos encha de todo o gozo e paz em crença, para que abundeis em esperança pela virtude do Espírito Santo.” (Rm 15.13)
Leitura Bíblica em Classe: Gálatas 5.16-26

Introdução: Temos aprendido sobre os dons espirituais, os quais podemos ilustrar como ferramentas de trabalho para os obreiros do reino de Deus. Mas para que eles estejam ativos em nossas vidas é necessário levarmos uma vida com as condicionais exigidas por Deus para que esses dons tenham efeito. Isto porque, os dons espirituais só estão ativos quando o Espírito Santo está operando. Se estivermos praticando as obras da carne, o Espírito não vai operar e se não tivermos o fruto cultivado pelo Espírito em nós, também Ele não vai operar. O fruto são as virtudes que devemos desenvolver através das operações do Espírito Santo em nosso interior e que são essenciais para que sejamos luz neste mundo de trevas.
1 – A condicional para não andarmos na carne é permitir que o Espírito Santo nos guie.
Gálatas 5.16 – Digo, porém: Andai em Espírito e não cumprireis a concupiscência da carne.
O crente com o seu eu crucificado não se deixa guiar pela carne e sim pelo Espírito. Tudo o apóstolo leva para o lado da condicionalidade, pois ele expõe as implicações positivas de ouvir o seu conselho e as implicações negativas de não o ouvir. E para sermos guiados pelo Espírito Santo devemos nos deixar conduzir pela força que Ele nos proporciona a seguir em frente sempre em santificação. O Espírito Santo é o sustentáculo garantidor da nossa esperança futura de irmos para as dimensões celestiais. Portanto, a Sua presença fortalecedora em nossas vidas é essencial em relação ao nosso comportamento espiritual. É vivendo pelo espírito que conseguimos refrear em todos os momentos os desejos da velha natureza.
2 – A vida é um campo de batalha, porque a carne e o espírito são opostos um ao outro.
Gálatas 5.17 – Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito, contra a carne; e estes opõem-se um ao outro; para que não façais o que quereis. Gálatas 5.18 – Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei.
O crente com o seu eu crucificado sabe que carne e espírito são opostos um ao outro. Essa é uma batalha diária e constante que o crente deve levar a sério, pois o nosso futuro que visa a vida eterna depende do nosso esforço em vencê-la. Paulo disse: I Coríntios 9.27 Mas esmurro o meu próprio corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de haver pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado. Não podemos deixar que a nossa carne nos escravize, pois se isso acontecer ficaremos sob o domínio dela como crentes carnais e isso implica em nossa salvação. Muitos cristão oriundos do judaísmo insistiam em algumas práticas das leis cerimoniais e foram exortados a serem guiados pelo Espírito, pois não estavam mais debaixo da lei. ‘Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.’ Apocalipse 3:11 – Hebreus 12:14 Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor.
3 – Quem quer herdar o Reino de Deus, se praticar as obras da carne será deserdado.
Gálatas 5.19 – Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia, Gálatas 5.20 – idolatria, feitiçarias, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Gálatas 5.21 – invejas, homicídios, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o Reino de Deus.
Deus deixou o seu testamento com todas as condicionais para herdarmos a vida eterna como herdeiros dele e co-herdeiros com Cristo. Na condição de salvos em Cristo, já estamos na condição de herdeiros, mas se não seguirmos os preceitos exigidos no seu testamento, corremos o risco de sermos deserdados. Os nossos desejos podem se tornar pecaminosos quando se opõe ao que o Espírito Santo quer. Podemos ter desejos da carne, o que não podemos é satisfazê-lo. Paulo expõe uma lista de vícios que são obras da carne, os quais devem ser bem examinados para ver se o crente está praticando algum dos vícios que estão nessa listagem. Caso esteja, a condição é abandonar imediatamente, pois a sua permanência na prática destes vícios o deixa alijado de entrar no reino dos céus, sendo deserdado da sua herança. Nesse caso o quadro da sua vida muda, pois passa a ser destinado ao tormento eterno.
3 – O caráter moldado pelo Espírito resulta em fruto na vida de quem quer cultivá-los.
Gálatas 5.22 – Mas o fruto do Espírito é: caridade, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Gálatas 5.23 – Contra essas coisas não há lei.
Os frutos são qualidades morais implantadas em nossa vida pelo Espírito Santo. Paulo usa a palavra fruto no singular, no sentido figurado para exemplificar as virtudes que precisam ser cultivadas em nossa vida. Quem cultiva esse fruto na vida dos cristãos é o Espírito Santo, daí a necessidade de viver no Espírito. Usando o exemplo de uma fruta com gomos entende-se que se faltar um gomo dessa fruta, ela está incompleta e, é assim em nossa vida espiritual, que se faltar uma virtude dessa pluralidade de virtudes, nós estamos incompletos. O amor é a maior virtude, pois a bíblia diz: ame ao teu próximo como a ti mesmo; o gozo ou alegria é o prazer de estar em Cristo; a paz não como o mundo a dá, mas como a que Cristo nos deu; longanimidade que é tardio em irar-se, alguém comedido diante de circunstâncias adversas; benignidade e a ausência de malignidade; bondade é fazer o bem, mesmo contra que nos faz o mal, devemos pagar o mal com o bem; fé, virtude necessária, pois sem ela não podemos agradar a Deus; mansidão, Jesus disse aprendei de mim que sou manso e humilde de coração; temperança, saber conter os impulsos de revide contra quem nos afronta. Não há nenhuma lei que vá contra essas virtudes.
4 – Quem tem o Eu Crucificado vive e anda no Espírito e não tem o domínio da carne.
Gálatas 5.24 – E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Gálatas 5.25 – Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. Gálatas 5.26 – Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.
Os provocadores de conflitos e dissensões dentro da igreja local são pessoas que ainda não crucificaram o seu Eu e isso prejudica a harmonia e a comunhão na congregação. Isso acontecia na igreja local dos Gálatas, constituída tanto por judeus e gentios convertidos ao cristianismo. Alguns judeus não haviam se despojado do seu Eu formavam grupinhos entre eles alijando os gentios de participarem. Isso pode ser visto em nossos dias onde essas coisas acontecem prejudicando a comunhão necessária entre todos nas suas reuniões, pois são coisas que entristecem o Espírito Santo. Paulo exortou os cristãos de Gálatas a crucificarem o seu Eu, dando exemplo e testemunho disso. Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Gálatas 2:20 – 2 Coríntios 10:18 porquanto, quem se vangloria não será aprovado, mas sim aquele a quem o Senhor recomenda. Cuidado com a lábia do Diabo

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel