Escola Dominical – Esboços da EBD

LIÇÃO 1 – E DEU DONS AOS HOMENS

VÍDEO DA AULA – https://www.youtube.com/watch?v=vJzD-XHGa0I

E DEU DONS AOS HOMENS

Lição 1 – 4 de Abril de 2021

Texto Áureo: Efésios 4.8 “Pelo que diz: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro e deu dons aos homens”.

Leitura Bíblica em Classe: Romanos 12.3-8; I Coríntios 12.4-7

Introdução: Dom ou talento é definido como uma inclinação natural de uma pessoa dotada de aptidão e inteligência para realizar determinada atividade. No mundo secular observam-se muitas pessoas com dons naturais em todos os segmentos da sociedade, sendo alguns mais destacados e outros menos, mas de qualquer maneira é um dom. No meio cristão a bíblia nos revela sobre os dons desde o Antigo Testamento ao Novo Testamento. No Antigo Testamento observamos que alguns personagens bíblicos eram dotados de dons espirituais de uma forma específica, isso, em todas as dispensações até o início da Igreja no Novo Testamento onde a questão dos dons foi revelada de uma forma mais compreensível nas cartas apostólicas. Nessas revelações entendemos que são nove os dons espirituais, mas que não fica só nesses nove dons. Isto porque na diversidade de dons espirituais que a bíblia revela, existem outros dons que são oriundos de um talento natural que a pessoa possui o qual pode ser transformado em um dom espiritual. Assim um dom natural que a pessoa possui e, é compatível para o serviço na obra de Deus, pode ser espiritualizado se tornando um dom espiritual, desde que o possuidor do dom se disponha a colocar o seu talento a serviço do reino de Deus.

1 – OS DONS DO ESPÍRITO SANTO SÃO CONDICIONAIS AO QUE FOMOS CHAMADOS

* Não queira praticar um dom que está acima da tua capacidade – Romanos 12.3 Porque pela graça que me é dada, digo a cada um dentre vós que não pense de si mesmo além do que convém; antes, pense com moderação, conforme a medida da fé que Deus repartiu a cada um.

Cada cristão é uma parte viva do corpo de Cristo e cada um tem uma função espiritual a exercer na sua Igreja local. Não é errado alguém almejar ter um dom espiritual, o que é errado é querer almejar um dom que está além da sua capacidade de exercê-lo. O problema é que existem pessoas com uma forte tendência interior de ter um dom que não é compatível com a sua estrutura espiritual. Tem alguns que desejam ter o mesmo dom de outrem, alimentam esse desejo de tal forma que passam a imitar o dom espiritual a qual deseja enganando e sendo enganado, pois quem não tem o dom autêntico outorgado pelo Espírito Santo, está na realidade fazendo o papel de tolo. Pessoas assim que se superestimam e tentam realizar um ofício para o qual não é qualificado acaba causando muitos estragos na Igreja local prejudicando assim tanto a Igreja organização como a Igreja organismo.

* Não queira escolher qual é o teu dom no contexto de corpo – Romanos 12.4 Porque assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma operação,

A prerrogativa de repartir os dons é exclusiva do Espírito Santo e, é como Ele quer, e não como nós queremos. Os dons espirituais são concedidos pela graça de Deus e devem ser aceitos e exercitados pela fé sem direito de escolha. Tudo o que nos cabe fazer é aceitá-los e usá-los para honra do nome do Senhor, pois o dom é dele e não nosso. Quando os cristãos da Igreja reconhecem os seus dons, sejam dons que se destacam mais, ou os que menos se destacam quem lucra com isso é a Igreja na sua totalidade. É preciso entender que cada cristão tem um dom diferente, e Deus concede esses dons para que a Igreja cresça de uma forma equilibrada. A falta de conhecimento na questão dos dons espirituais têm trazido grandes prejuízos e confusões nas igrejas, pois muitos só querem ter dons que se destacam, não com o objetivo de ser útil na obra, mas com o objetivo de ganhar fama e ostentar algo que não lhe pertence.

* Não busque dom para si próprio e sim em benefício de outros – Romanos 12.5 Assim nós, que somos muitos, somos um só corpo em Cristo, mas individualmente somos membros uns dos outros.

Um dom não pode ser enfatizado em detrimento de todos os outros. Quando o cristão subestima os outros dons e enfatiza o seu próprio, está negando o propósito pelo qual os outros dons foram concedidos. Os dons espirituais são ferramentas de trabalho para que cada crente o use dentro do que lhe foi concedido com propósito de edificar a Igreja. Um dom deve complementar o outro, ou seja, usando a figura do corpo, entende-se que um membro tem a sua função específica, assim cada membro realiza a sua função e se não fosse desse jeito, o nosso corpo seria uma completa desordem. Assim também funciona e devem funcionar os dons espirituais para que a Igreja caminhe em completa harmonia. O Espírito não concede dons aos homens para benefício próprio e sim para tudo o que for útil à Igreja.

* Não tente exercer um dom que é superior a medida da tua fé – Romanos 12.6 De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;

Quando o Espírito Santo concede o dom para alguém, é certo que esse alguém tem a qualificação necessária para exercer esse dom. É possível observar que de uma forma não generalizada as pessoas querem escolher o dom e principalmente o de profecia, isto porque, o povo que não gosta de doutrina vive correndo atrás do profeta e nem todos são. Alguns na ansiedade de ouvir alguma profecia, não se presta a identificar de quem vem a profecia. Como muitos crentes são obcecados para que alguém fale em profecia sobre a sua vida, o maligno encontra nisso uma grande oportunidade para enganar o povo usando irmãos que acham ou se intitulam profetas para ostentar um status que na realidade é falso. É preocupante a quantidade desses que se fazem profetas que existem em vários lugares. Esses tipos têm promovido grandes prejuízos nas igrejas, em lares, casamentos, noivados, namoros, tirando pessoas da igreja, tirando pessoas do emprego e outras aberrações das quais eles vão pagar muito caro pelo que fazem.

* Não tente ministrar ou ensinar sem ter a capacidade de fazê-lo – Romanos 12.7 Se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino;

Quanto à dedicação no ensino é preciso lembrar que antes de tudo deve haver dedicação em aprender o que vai ensinar. Quem não tem um curso teológico onde recebe uma preparação mais aprofundada concernentes às Escrituras evidentemente não estão preparadas para tal. A bíblia diz para nos apresentarmos diante de Deus como obreiro aprovado que não tem do que se envergonhar e que maneja bem a palavra da verdade. Como alguém vai querer ter um dom didático, se não se preparou para tal. A escolha de um professor de escola dominical não pode ser por aparência, amizade, parentesco, por ser dizimista ou outras coisas. A escolha deve ter algumas exigências, mas a principal é se está realmente capacitado para ensinar a outros.  

* Não force exercer um tipo particular de serviço sem ter o dom – Romanos 12.8 Ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com cuidado; o que exercita misericórdia, com alegria.

Os dons espirituais são instrumentos para serem usados exclusivamente na edificação da Igreja de Cristo. Eles não são brinquedos, como também não podem ser usados para prejudicar quem quer que seja. Se não houver uma disciplina no uso dos dons, eles podem acabar com um ministério. É algo gravíssimo alguém ter o dom com intenções de se sobressair diante da Igreja. Quem tem o dom espiritual necessariamente deve ter também o fruto do Espírito, pois se estes lhes são ausentes na realidade não passa de uma lata vazia que só faz barulho. O dom de exortar envolve a questão doutrinária para a Igreja. Muitos ignorantes entendem que exortar é dar doutrina de costume para a Igreja, e esse tipo de doutrina já levou muitos para a perdição. O dom para contribuir, só passa a ser um dom quando alguém demonstra total disposição e alegria em estar envolvido nessa prática. É tido como um dom, desde que não exerça esse ofício com o intuito de tocar trombetas diante de todos. O dom de presidir se enquadra em pastorear a Igreja de Deus que está entre nós, tendo cuidado dela, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; 1 Pedro 5:2. O dom de misericórdia está ligado evidentemente em exercer misericórdia em todos os sentidos para com o nosso próximo, até aos limites onde podemos ajudar.

2 – A DIVERSIDADE DOS DONS SÓ TEM UMA FONTE, A QUAL É O ESPÍRITO SANTO

* É preciso discernir o que é usado e o que se usa, pois o dom é de Deus – I Coríntios 12.4 Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.

Como cristãos podemos ter vários dons e ofícios para trabalhar na obra, mas é bom lembrar que em tudo isso é Deus quem efetua em nós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade. Os dons vêm de Deus e devem ser usados para os seus propósitos na sua obra. É preciso cuidado pois o diabo procura imitar os dons espirituais e usa os ignorantes e sem caráter como seus instrumentos para trazer confusão na Igreja. Quantos estão por aí se usando com profecias falsas, curas enganosas, prosperidades ilusórias levando muitos ao mundo das fábulas. O preocupante é que o povo gosta de fábulas porque não querem ouvir as verdades do evangelho. Com isso o diabo promove vários milagres enganosos levando multidões a se desviarem do verdadeiro caminho da salvação eterna.

* Os dons são diversos, mas são distribuídos a cada um no mesmo propósito – I Coríntios 12.5 E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.

Há vários dons, ministérios e operações, mas tudo procede de um só Deus, de um só Senhor, e de um só Espírito; isto é: do Pai do Filho e do Espírito Santo, que é a fonte de todas as bênçãos e milagres no meio da Igreja. Todos os dons vêm de uma mesma fonte, sendo todos de um mesmo autor, por mais diferentes que sejam em si mesmo. As distribuições dos dons por parte do Espírito Santo obedecem a vários critérios de acordo com as características e valores espirituais de cada um. Cada um de nós tem uma vocação diferente, e, é nessa vocação que o Espírito Santo vai operar. Portanto precisamos descobrir qual é a nossa vocação é procurar aprimorá-la usando os meios didáticos e práticas necessárias para desenvolvê-la e dispô-la à disposição do Espírito Santo. Essa é uma condição para recebermos um dom espiritual para estarmos servindo no reino de Deus de uma forma credenciada pelo Espírito Santo.

* A operação dos dons espirituais só é autêntica quando Deus está em ação – I Coríntios 12.6 E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus que opera tudo em todos.

Todos aqueles que entendem e levam as coisas de Deus num princípio consciente sabem que existem muitos imitadores hábeis na questão dos dons espirituais. Alguns desses imitadores deixam transparecer que o dom é dele próprio e podem usar o dom sempre que quiserem. É muito comum ouvirmos alguns pastores fazendo a sua propaganda chamando o povo para receber milagres. Nessas chamadas enfocam que em tal culto vai acontecer muitos milagres, como se o dom de operar milagres fosse exclusivo deles. Deus continua operando milagres, e isso é uma verdade absoluta, mas não da forma como esses falsos milagreiros divulgam nas suas propagandas iludindo um povo leigo e ignorante quanto às coisas de Deus.

* Os dons são concedidos para a Igreja toda e não para usufruto individual – I Coríntios 12.7 Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.

Quando aceitamos e usamos os nossos dons com humildade, eles certamente serão importantes para promover harmonia e ajudar a Igreja como um todo. Os dons não são e não podem ser para o nosso usufruto individual, mas para o uso de toda a coletividade. Não podemos usar o dom de uma maneira egoísta, para nos promovermos a nós mesmos, e sim para edificar a Igreja. Os dons são distribuídos para o benefício da Igreja, para edificar o corpo, espalhar e fazer avançar o Evangelho de Cristo. Todo dom que é conferido por Deus ao homem, é para que se possa fazer o bem com eles. Nenhum homem pode ter o dom meramente para si próprio, pois é uma responsabilidade colocada em nossas mãos para aquilo que for útil à Igreja. Quanto mais favorecermos os outros com os dons, mais créditos serão colocados em nossa conta para o tribunal de Cristo. Os dons não são dados para se mostrar; mas para servir; não para servir com pompa e ostentação, mas para a edificação; não para engrandecimento próprio, mas para a edificação dos outros. O dom não é dado conforme desejamos, nem como nos seja conveniente, mas como o Espírito desejar.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

Exit mobile version