ESDRAS VAI A JERUSALÉM ENSINAR A PALAVRA DE DEUS

ESDRAS VAI A JERUSALÉM ENSINAR A PALAVRA DE DEUS
Lição 11 – 13 de Setembro de 2020
Texto Bíblico: “E Esdras, o sacerdote, trouxe a Lei perante a congregação […] E leu nela […] desde a alva até ao meio-dia, perante homens, e mulheres, e sábios; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da Lei” (Ne 8.2,3)
Leitura Bíblica em classe: Neemias 8.1-3,5,6,9,10 

INTRODUÇÃO:  Por um decreto de Ciro, o rei da Pérsia, todos os judeus ganharam a liberdade de retornarem da Babilônia para Jerusalém. Este retorno foi voluntarioso, pois muitos deles já estabelecidos por lá, não se interessaram em voltar. Mas os que resolveram vir para Jerusalém estavam sem conhecimento das Escrituras, principalmente na questão das leis cerimoniais e das suas obrigatoriedades. Sem esses ensinamentos, os rituais a serem praticados, não seriam aceitos pelo Senhor. Esses ensinamentos também desenvolveram neles um avivamento no sentido coletivo para um despertamento, o que resultaria em uma espiritualidade necessária para eles. Esdras e Neemias providenciaram uma reunião com todos tendo como o local e encontro, a porta das águas e todos voluntariamente compareceram desejosos de receber os ensinamentos da Lei de Moisés.  Nada ali foi por força, ou por violência, e sim pelo Espírito Santo operando especificamente em cada alma presente. Esse era o avivamento na Antiga Aliança, pois era um avivamento coletivo e exteriorizado, diferentemente do avivamento na Nova Aliança, que é individual e interiorizado. Na antiga aliança eles tinham a natureza adâmica, pois o sangue de animais não tinha como expiar esse pecado e desse modo não eram templo do Espírito Santo. Já em a Nova Aliança, o sangue de Cristo realizou a expiação desse pecado e passamos a ser templo do Espírito Santo e desse modo o avivamento ao contrário do que muitos pensam, não é coletivo e exteriorizado e sim individual e interiorizado.
1. O ENSINO SÓ É EFICAZ QUANDO SE DESEJA PROVAR A BOA PALAVRA DE DEUS
a) Dê ouvidos a palavra pois ela exerce o poder da transformação.
Neemias 8.1 – É chegado o sétimo mês, e estando os filhos de Israel nas suas cidades, todo o povo se ajuntou como um só homem, na praça, diante da Porta das Águas; e disseram a Esdras, o escriba, que trouxesse o livro da Lei de Moisés, que o Senhor tinha ordenado a Israel. Salmos 84.10 Porque vale mais um dia nos teus átrios do que mil. Preferiria estar à porta da casa do meu Deus, a habitar nas tendas dos ímpios.
Com o templo, os sacrifícios, a cidade e os muros que estavam restaurados, ainda faltava o essencial, que era o povo receber os ensinamentos do livro da Lei de Moisés. Os ensinamentos da Lei de Moisés eram necessários para que o povo fosse conscientizado da necessidade de cumprir ordeiramente as leis cerimoniais. Caso isso não acontecesse tudo seria em vão, pois um povo sem transformação espiritual está fadado ao fracasso. Não bastava o povo sentir a experiência da libertação e bem-estar se não fossem colocadas às bases espirituais, pois só a palavra de Deus é que faz a ancoragem da edificação realizada em Jerusalém com muito esforço e perseverança. Não adianta ficar se preocupando e construir a obra material e não se preocupar e construir a alma do povo.
b) Dê ouvidos a quem ensina a palavra para não ficar na ignorância.
Neemias 8.2 – E Esdras, o sacerdote, trouxe a Lei perante a congregação, assim de homens como de mulheres e de todos os sábios para ouvirem, no primeiro dia do sétimo mês. Salmos 122.1 Alegrei-me quando me disseram: Vamos á casa do SENHOR. Neemias 8.3 – E leu nela, diante da praça, que está diante da Porta das Águas, desde a alva até ao meio-dia, perante homens, e mulheres, e sábios; e os ouvidos de todo o povo estavam atentos ao livro da Lei.
É com a submissão aos ensinamentos da palavra de Deus que temos condições de prestar a verdadeira adoração. Uma casa de culto bonita não quer dizer nada, se o centro do culto ali prestado não for a proclamação da palavra de Deus. Quem vai ao culto deve ter como o seu maior interesse, a pregação da palavra, pois ela se compreendida é eficaz para tirar uma alma da ignorância às coisas de Deus.  De ouvidos e atenção a palavra, pois é ela que aviva o nosso interior. Romanos 10.17 De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.
2. O ACOLHIMENTO DA PALAVRA DA VERDADE PRODUZ AVIVAMENTO INTERIOR.
a) É com reverência que a palavra de Deus é implantada em nós
Neemias 8.5 – E Esdras abriu o livro perante os olhos de todo o povo; porque estava acima de todo o povo; e, abrindo-o ele, todo o povo se pôs em pé. Eclesiastes 5.1 Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus; porque chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal.
Devemos ter uma postura exterior em atitude de reverência quando ouvimos a Palavra de Deus. A reverência se faz necessária porque não é a palavra do homem com suas ideias que estão ouvindo e sim a Palavra do próprio Deus. Não houve uma imposição de Esdras obrigando o povo a ouvir a Palavra, pois foi o próprio povo que se dispôs a estarem presentes nesta reunião com o desejo de que as suas vidas fossem reconstruídas.
b) É necessário que os ensinadores saibam explicar a palavra – Neemias 8.6 – E Esdras louvou o Senhor, o grande DEUS; e todo o povo respondeu: Amém! Amém! -, levantando as mãos; e inclinaram-se e adoraram o Senhor, com o rosto em terra. Mateus 18.19 Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus.
A unidade do povo foi observada quando todos em uma mesma concordância reverenciavam o Deus que se revelava nas escrituras. A concordância com a palavra é necessária quando ela está sendo ministrada e não haverá qualquer discordância quando o ministrante não está expressando o que ele pensa, mas o que Deus está revelando. Dai a importância de que o ministrante tenha conhecimento e sabedoria da Palavra de Deus.
3. A ACEITAÇÃO E COMPREENSÃO DA PALAVRA MOVE O CORAÇÃO DO SENHOR.
a) É com o coração receptivo a palavra que há conscientização mental.
Neemias 8.9 – E Neemias (que era o tirsata), e o sacerdote Esdras, o escriba, e os levitas que ensinavam ao povo disseram a todo o povo: Este dia é consagrado ao Senhor, vosso DEUS, pelo que não vos lamenteis, nem choreis. Porque todo o povo chorava, ouvindo as palavras da Lei. Hebreus 4.12 Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração
Quando somos receptivos a palavra e nos conscientizamos do que está tratando conosco, ocorre uma transformação, porque por ela vem o conhecimento do pecado. Esse conhecimento causa em nós uma grande tristeza, mas ao mesmo tempo, também causa regozijo, pois Deus está sempre pronto a nos oferecer o Seu Perdão. O perdão de Deus nos acompanha quando há o arrependimento.
b) A palavra trata do pecado e ela tanto abre a ferida como fecha a ferida
Neemias 8.10 – Disse-Lhes mais: Ide, e comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque esse dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto, não vos entristeçais, porque a alegria do Senhor é a vossa força. Provérbios 12.25 A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra.
A palavra nos convenceu da culpa, é o que nos leva ao arrependimento, o que sequencialmente nos dá alegria, pois a mesma palavra que fere também opera a cura. Quando isso acontecer iremos experimentar o poder que transforma a nossa tristeza em alegria. Isso acontece quando cremos naquilo que Deus fala através da Sua Palavra, e não sendo ouvintes esquecidos passamos a agir de acordo com as verdades recebidas. A fé baseada na palavra produz fé, a qual é essencial para transpormos todas as tempestades da vida que tivermos que enfrentar.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

1 comentário em “ESDRAS VAI A JERUSALÉM ENSINAR A PALAVRA DE DEUS”

Deixe um comentário